Picinguaba, floresta com vista para o mar

Texto: Antonio Paulo Pavone

Árvores centenárias, praias desertas e paradisíacas, trilhas na mata fechada, cachoeiras e riachos de água cristalina. Um verdadeiro o cenário pré-cabraliano, com toda a magia dos tempos remotos do descobrimento, em plena São Paulo, mesmo após 500 anos de devastação.

Parece sonho, mas este pedacinho preservado de paraíso tropical não só é real como também está ao alcance da maioria dos mortais, ficando a apenas a 40 km do centro de Ubatuba e a 30 km de Parati. Toda esta beleza descrita acima pode ser encontrada nas encostas e na orla marítima intocada do Parque Estadual da Serra do Mar, mais precisamente em Picinguaba (refúgio de peixes, em tupi-guarani).

Picinguaba é o único ponto da reserva que atinge a cota zero e protege algumas das mais belas e selvagens praias do litoral Sudeste, como a da Fazenda e a Brava da Almada. Abrange uma área de 47.500 hectares no município de Ubatuba e tem posição ambiental estratégica, por unir-se com o Parque Nacional da Serra da Bocaina e com a Área de Proteção Ambiental do Cairuçu.

Esportes e Aventura

Por tudo isso, ao título de capital do surfe o município de Ubatuba pode somar também o de centro de aventuras. Para comprovar isso é só percorrer as inúmeras trilhas que rasgam sutilmente a floresta atlântica. A maioria delas leva a refúgios de fauna e flora, com praias, mirantes e quedas d’águas que poucos humanos conhecem. Mergulho livre e autônomo também são atrações imperdíveis.

Natureza

O encontro de oceano e mata resguardada justifica o nome indígena. Vem daí a fartura de pescado no quadrante da grande baía e nas inúmeras ilhas situadas bem defronte à linha de preservação serrana. Essas águas cálidas e repletas de nutrientes são rota de migração de tartarugas e mamíferos marinhos como golfinhos e até baleias. Razões mais do que suficientes para ver de perto a paisagem deslumbrante e, quem sabe, se aventurar por lá numa jornada radical.

Picinguaba – Parque das praias

Fazem parte do parque bonitas praias como a Brava da Almada, da Fazenda, da Vila de Picinguaba, Brava do Camburi e Camburi. A primeira só pode ser alcançada por barco ou através de uma trilha em meio à mata nativa, que passa também por um trecho de costões rochosos, e começa no final da praia da Fazenda. É boa para o surfe, orlada por árvores centenárias e muito tranqüila.

Já a praia da Fazenda, com 3,5 km de extensão, tem uma larga faixa de areia batida, com mar calmo, próprio para banhistas. Só é permitido entrar ali a pé. Os carros ficam no estacionamento do Centro de Visitantes. A praia da Vila é calma e serve de ancoradouro para os barcos de pescadores tradicionais que buscam sustento nas mansas águas da baía de Picinguaba. É um bom lugar para quem deseja comprar peixe fresco.

A Brava do Camburi, muito apreciada pelos surfistas, só permite a entrada através de trilha íngreme, descendo pela costeira através de um trecho de mata cerrada. Um pouco mais à frente, a do Camburi, última pérola nas areias do litoral paulista, tem acesso através de estrada de terra em estado precário. Vale dar um parada no começo desse caminho, na Cachoeira da Escada, bem às margens da Rio-Santos.

Picinguaba – Casa da Farinha

Além das praias desertas e selvagens este retalho da Serra do Mar ainda conta com sítios do patrimônio histórico e arquitetônico que remontam ao período colonial, como a Casa de Farinha, situada no Sertão da Fazenda da Caixa, em pleno funcionamento. Ali é possível assistir ao preparo da farinha de mandioca num processo artesanal, que usa uma roda d’água.

É também o ponto inicial de algumas boas caminhadas ecológicas, como a trilha do Jatobá, com um percurso leve, de 600 metros, o suficiente para conhecer a floresta atlântica e suas águas bem de pertinho. Quem quiser se aventurar mais longe pode seguir caminhando mais alguns quilômetros. É a trilha da Rasa, na verdade um prolongamento da trilha do Jatobá, que vai seguindo até um poço muito bom para mergulhos e banhos relaxantes.

Essas duas picadas fazem parte da mesma travessia radical que é a Trilha do Corisco, com 30 km de extensão. Segue pela encosta cruzando rios e riachos em meio às arvores de grande porte, entra em terras do Parque Nacional da Serra da Bocaina, cruza o marco que divide os estados do Rio e São Paulo e chega até Parati.

Quem quiser um contato mais próximo com o ecossistema dos manguezais pode fazer a trilha Fluvial. Os botes de borracha descem os rios da Fazenda ou Picinguaba, num percurso que dura em média uma hora. Dá para emendar o passeio com a trilha do Picadão, na barra, onde é possível curtir o encontro do rio com o mar.

Picinguaba – Vila Caiçara

A vila de Picinguaba, tombada pelo Condephaat desde 1983, ainda preserva muitas tradições da antiga cultura caiçara e está dentro da área do parque. Lá moram os integrantes da comunidade tradicional que praticam a pesca artesanal nas águas da baía de Picinguaba. A vila é um aglomerado de pequenas construções, no sopé do morro do Baú. A arquitetura se divide entre o passado e o presente, mesclando centenárias casas coloniais e de pau-a-pique a recém-construídas pousadas de linhas rústicas e apuradas.

A povoação situa-se a três km da BR-101, na altura do km 8, e tem um charme todo especial que encanta artistas, arquitetos e até políticos, alguns dos quais adquiram residências de veraneio por ali. Da pequena praia saem os barcos de pesca, singrando as piscosas águas da baía de Picinguaba. Também é possível contratar embarcações para um belo passeio pelas ilhas próximas, como a Comprida, das Couves, Selinha e da Pesca.

Picinguaba – Guia de viagem

Como chegar

O Núcleo Picinguaba do Parque Estadual da Serra do Mar fica na Rio-Santos (BR-101), altura do km 8, a 40 km do centro de Ubatuba. A entrada principal para o Centro de Visitantes é no km 11, próxima à praia da Fazenda.

Onde comer

Na Vila de Picinguaba é possível apreciar bons pratos da cozinha caiçara no Picimbar (12/3832-9002). Outra ótima pedida é o Bar do Ulisses (12/9741-3753), na vizinha praia da Almada, onde é servida uma deliciosa moqueca de frutos do mar.

Onde ficar

A Vila de Picinguaba apresenta três boas opções de hospedagem. Uma delas é a Pousada e Atelier Santa Martha das Pedras (11/6976-0972). Construída recentemente em meio à mata, conta com atelier de cerâmica. Preços a partir de R$100, 00, com café da manhã. A Pousada Rosa Penteado (11/6973-5821) fica bem próxima à praia e também cobra R$ 100,00 a diária, com café da manhã. Outra opção é a Pousada Picinguaba (12/3832-9013), que fica em um morro e o acesso é por uma escadaria. Diárias a partir de R$ 110,00, com jantar incluído.

Informações úteis

O Núcleo Picinguaba (12/3832-9062) conta com Centro de Visitantes e faz o agendamento dos passeios. Os interessados devem ligar de 2a à 6a feira, das 8h30 às 17h00. A Associação dos Monitores de Ecoturismo de Ubatuba (12/9142-3692) também oferece o serviço de guias especializados para as trilhas dentro e fora do parque.