Expedição Brasil solidário

Tema:Expedições
Autor: Alexandre Vianna
Data: 2/1/2003

O objetivo inicial de nossa viagem era conhecer os parques nacionais da região Sul do Brasil, indo pelo litoral até o Chuí, e voltar pelo interior, através das cidades das Missões e Foz do Iguaçu. Como em nossas viagens costumamos passar por lugares muito distantes e pouco visitados, tivemos a idéia de pedir para nossos parentes e amigos roupas, brinquedos e calçados usados para dar às pessoas carentes que encontrássemos pelo caminho.

Daí nossa primeira surpresa!

A grande colaboração que tivemos superou todas expectativas. Caixas e caixas de tênis Bamba zerados, camisetas para crianças, bichos de pelúcia novíssimos e lavados com todo carinho. Foram tantas as doações que decolamos com a caçamba da Ranger transbordando!

A segunda surpresa e imensamente gratificante, que nos fez achar pouco todo esforço que tivemos em arrecadar, separar e embrulhar todos os presentes, foi a cara de felicidade e contentamento das pessoas e, principalmente, das crianças, ao receberem os presentes. Foram minutos mágicos em lugares esquecidos, inexistentes, habitados por brasileiros muito simples, que nunca mais sairão de nossa memória!

Tudo começou com o Ano Novo na Ilha do Mel. De lá voltamos para a graciosa e histórica Morretes ( famosa pela comida típica "Barreado"), passamos por Antonina e chegamos em Guaraqueçaba, portão de entrada para o Parque Nacional de Superagui, após percorrer 80 km de estrada de terra.

Em Guaraqueçaba, conhecemos o barqueiro Augusto, que nos levou em sua voadeira pelos canais alagados da região de Lagamar. Fomos até as vilas de Tibicanga, Laranjeiras e Fátima, onde distribuímos os presentes para os simpáticos moradores das ilhas. Conhecemos Superagui, caminhamos por uma enorme bancada de areia que surge no meio do oceano e chegamos até a Ilha do Cardoso, já no Estado de São Paulo.

No dia seguinte visitamos a reserva ecológica de Salto Morato, propriedade do Boticário. No caminho conhecemos Juliano e seus amigos que ganharam tênis Bamba, camisetas, bermudas, bonés e brinquedos. Pudemos chegar bem perto da cachoeira de Salto Morato, com seus 80 m de altura, e sentir o forte vento soprar devido ao deslocamento de ar causado pela queda d'água! Natureza pura!

Pegamos a balsa de Caioba para Guaratuba. Passamos por Joinville e São Francisco do Sul. Seguimos para o Balneário de Camboriú, Porto Belo, Bombas, Bombinhas, Mariscal e Zimbros. Nessa época do ano Bombinhas fica infestada de sedentos argentinos e o espanhol se torna a língua oficial local.

Acampamos no camping Maré Alta, que fica num morro de Bombinhas. De nossa barraca podíamos ver de manhã o sol nascendo e no final de tarde a lua refletindo no mar. As vezes acampar tem suas vantagens! Fiz dois mergulhos autônomos, o primeiro no lado de fora da ilha Deserta, com visibilidade de 7 metros, água fria e pouca vida marinha. O segundo na parte de dentro da ilha Arvoredo, não muito diferente. Não gostei!

Passamos em Florianópolis e daí seguimos para Urubici e Parque Nacional de São Joaquim. Urubici nos surpreendeu com sua beleza e diversidade de passeios. Conhecemos a cascata do Avencal, 80 m de queda livre e fácil acesso; Morro da Cruz esculpido pelo vento e com uma vista magnífica da região e o seu Dimas que tomava conta do sítio por onde se entra para chegar ao morro, que ganhou roupas de frio e sapato; inscrições rupestres; cascata Véu da Noiva, que faz jus ao nome, e morro da Igreja, de onde se vê a pedra furada do Parque Nacional de São Joaquim, se a neblina deixar, é claro! Fomos duas vezes, e deu branco!

Segundo seus moradores, Urubici é uma cidade injustiçada, pois a maior área do parque pertence ao município, e é São Joaquim que dá nome ao parque. Além da controvérsia do parque, eles dizem que em Urubici neva muito mais que em São Joaquim, e mais uma vez é o município vizinho que leva a fama.

Saímos de Urubici pela Serra do Corvo Branco. Magnífica obra de engenharia que desafiou a mais bruta natureza. A estrada contorna uma cordilheira de montanhas rochosas com encostas de 90 graus. Passar por esse lugar é uma experiência divina!

Fomos conhecer a Serra do Rastro, que leva a São Joaquim, e viajamos pela Serra da Rocinha para alcançar Cambará do Sul, já no RS

Nesta reportagem:

» Expedição Brasil solidário
» Os parques do sul
» A volta





© Copyright 1998 - 2012 - 360 GRAUS MULTIMÍDIA
Proibida a reprodução integral ou parcial, para uso comercial, editorial ou republicação na Internet, sem autorização mesmo que citada a fonte.

Compartilhe:


Livros:

Equipamentos:

  • Parati: charmosa, elegante e cheia de histórias de aventuras
    Lugares
    Parati: charmosa, elegante e cheia de histórias de aventuras
  • Parque Nacional de Monte Roraima
    Parques
    Parque Nacional de Monte Roraima
  • Rota dos Sonhos: trilhas, cultura e muita aventura
    Lugares
    Rota dos Sonhos: trilhas, cultura e muita aventura
  • Parque Nacional Marinho dos Abrolhos
    Parques
    Parque Nacional Marinho dos Abrolhos
  • Parque da Restinga de Jurubatiba. Equilíbrio Biológico Global
    Ecoturismo
    Parque da Restinga de Jurubatiba. Equilíbrio Biológico Global
  • Penedo: conheça a bela 'pequena Finlândia' do Brasil
    Ecoturismo
    Penedo: conheça a bela 'pequena Finlândia' do Brasil