Karajás - Miranda: A Primeira Cidade do Pantanal

Tema:Expedições
Autor: Marcelo de Paula
Data: 23/6/2006

Analisando as andanças da equipe da Expedição Karaja – O Filme, Miranda foi a primeira cidade dentro do Pantanal. E, como não podia deixar de ser, a produção envolveu índios Terenas, peões de gado e muito jacaré.

Depois de descarregar as bagagens no Hotel Brasil, partimos para reencontrar velhos amigos Terenas, índios das aldeias Passarinho e Cachoeirinha. Famílias as quais me acolheram na expedição solitária de 1991.

Diga-se de passagem, os Terenas foram os primeiros índios que tive contato direto. Através dessa amizade, recebi os ensinamentos iniciais necessários ao aprendizado da convivência mútua entre duas culturas tão distintas.

Quem sempre encontro primeiro é o barbeiro Djanir Ferreira da Costa - o Jacaré. Além da duradoura amizade e do fato de ter sua barbearia localizada no centro de Miranda, ele é o atual elo de ligação com a Aldeia Cachoeirinha, porque é sobrinho do cacique Cirílo.

A Aldeia Cachoeirinha fica afastada 15 quilômetros de Miranda. Em 1991, Jacaré, eu e outros fizemos tal percurso, ida e volta, a pé. Ele me levou para conhecer alguns parentes e mostrar a realidade da Aldeia, que, na época, era bem menos aculturada que a Aldeia Passarinho, distante apenas cinco quilômetros da cidade. Hoje, praticamente, é um bairro de Miranda.

A bem da verdade, nem mesmo os 15 quilômetros separam a Aldeia Cachoeirinha de uma maior aproximação da cultura branca. O que difere dos anos passados, é a postura de um melhor relacionamento entre os moradores de Miranda e os Terenas. Menos preconceito, maior integração e até projetos comunitários coordenados pela própria Prefeitura Municipal, como o Centro Referencial da Cultura Terena, que tem o objetivo de resgatar a cultura tradicional desse povo.

O Centro situa-se na entrada da cidade e funciona como um posto de venda de camisetas, cerâmicas e artesanatos Terenas. Sendo todo material confeccionado pelos artesões das aldeias da região, com toda arrecadação voltada, individualmente, para cada artesão e sua respectiva obra.

Do Jacaré, a esposa Cristina e os filhos do casal, partimos para outros personagens dessa grande família. Os irmãos Inácio da Silva Alves e Rosilene da Silva Ferreira, filhos, sobrinhos e tias. Em 1991, residi alguns dias na casa desses amigos da Aldeia Passarinho. Desde então, nunca mais perdemos o contato.

Com o reencontro, Inácio e seu filho Claiton Silva Alves passaram a integrar a equipe da Expedição Karaja – O Filme na produção de sete dias em Miranda. Com a amizade em dia, fomos aos compromissos profissionais: encontro com a Secretária de Turismo e Meio Ambiente do Município, Maria Célia, e depois com as lideranças das aldeias envolvidas com o filme.

Em Miranda, para felicidade da Maria Albina, ficamos mais leves. Foram doados três caixas de livros: uma para a família do Inácio e as demais para a Aldeia Cachoeirinha. Um compromisso assumido pela Código Solar Produções, na viagem de pré-produção do filme, em janeiro de 2006.

A Fazenda Cacimba de Pedra – Reino Selvagem foi o grande set de filmagem em Miranda. Carla, Luiz, Inácio, Claiton e eu partimos de mala e cuia para dentro do Hotel Fazenda, que é a maior produtora de Jacaré da América do Sul. Possui certificado de funcionamento pelo Ibama e ganhou Prêmio Finep de Inovação Tecnológica, devido ao sistema criado pelo proprietário Gerson Zahdi, em manter os filhotes da criação em tanques que impedem a penetração da luz solar.

O que torna o couro dos animais muito mais macios e maleáveis. Os filhotes são alimentados com rações balanceadas, enquanto as matrizes são criadas naturalmente num lago, nas dependências da Fazenda, sendo alimentadas com carne e frango.

Hoje, a produção da Cacimba de Pedra – Reino Selvagem atende a maioria dos restaurantes do Pantanal que servem pratos típicos a base de jacaré. A Fazenda tem uma ótima estrutura para o turismo rural. (informações e hospedagens na Cacimba de Pedra www.cacimbadepedra.com.br)

Não só para filmar jacarés, mas também toda uma seqüência de peões de gado no manejo da comitiva, preparando o tradicional churrasco de buraco, que consiste em colocar a carne para assar em suculentos nacos, sustentados por duas varas de pau, que ficam apoiadas em uma forquilha por cima de um enorme buraco. Uma verdadeira delícia!

Peões colocando indumentárias, cavalgando, tocando berrante, atravessando lago como o gado, salgando carne, bebendo chimarrão e demais atividades típicas do Pantanal.

Seguindo as diretrizes da produção, voltamos para a cidade e fomos gravar nas aldeias. Na Cachoeirinha o trabalho foi dobrado, furamos dois pneus da Maria Albina no primeiro dia de filmagem e depois ficamos atolados de tal maneira, que só saímos a reboque de trator.

Para não fugir a regra, na Aldeia Lalima, onde ocorreu uma dança do Bate-Pau especificamente para a equipe da Código Solar, mais um pneu furado na volta do percurso. Tudo bem! Isso é efeito da produção de um documentário dentro do Pantanal.

Cestaria, produção de cerâmica, danças, entrevistas, culinária, ensino nas escolas, computação e outras características do povo Terena. Nada faltou para o filme.

Das Aldeias Terenas, concentramos em Miranda para cobrir toda a arquitetura, beleza natural e costumes da cidade. Não podia esquecer de citar meu único amigo branco em Miranda – Cebola. Ele era produtor rural na época da minha primeira expedição e agora trabalha com fretes na região. O Cebola foi muito camarada em 1991. Me colocou em todo seu ciclo familiar e de amigos. Ele foi responsável pelo travelling do filme na principal avenida de Miranda, por onde o Trem do Pantanal trazia os passageiros de outrora.

Degustamos a última cerveja em Miranda, arrumamos as malas e fomos dormir. Próxima parada Coxim (MS). Até lá!





© Copyright 1998 - 2012 - 360 GRAUS MULTIMÍDIA
Proibida a reprodução integral ou parcial, para uso comercial, editorial ou republicação na Internet, sem autorização mesmo que citada a fonte.

Compartilhe:


Livros:

Equipamentos:

  • Parati: charmosa, elegante e cheia de histórias de aventuras
    Lugares
    Parati: charmosa, elegante e cheia de histórias de aventuras
  • Parque Nacional de Monte Roraima
    Parques
    Parque Nacional de Monte Roraima
  • Rota dos Sonhos: trilhas, cultura e muita aventura
    Lugares
    Rota dos Sonhos: trilhas, cultura e muita aventura
  • Parque Nacional Marinho dos Abrolhos
    Parques
    Parque Nacional Marinho dos Abrolhos
  • Parque da Restinga de Jurubatiba. Equilíbrio Biológico Global
    Ecoturismo
    Parque da Restinga de Jurubatiba. Equilíbrio Biológico Global
  • Penedo: conheça a bela 'pequena Finlândia' do Brasil
    Ecoturismo
    Penedo: conheça a bela 'pequena Finlândia' do Brasil