Turpial: uma expedição de balão pela Amazônia

Autor: Sacha Haim
Data: 16/1/2001

No dia 18/01/01, estaremos embarcando num típico barco regional amazonense, com uma carga atípica. Estarão à bordo três balões de ar quente, onze balonistas espanhóis, dois amazonenses e três paulistas (Sandro Haim, Nelson Barretta e Sacha Haim). Nossa meta é subir o rio Negro até Santa Isabel do Rio Negro, a mais de seiscentos quilômetros de Manaus. Estaremos sobrevoando zonas nunca antes vistas de um balão, certamente dividiremos esta alegria com os moradores dos povoados e cidadezinhas às margens do rio.

A expedição nasceu de uma viagem feita há oito anos atrás por Angel Aguirre, (atual bi-campeão espanhol de balonismo e meu “empregador” durante o ano em que vivi em Barcelona, Espanha). Angel, buscando descobrir os passos de um antepassado seu (considerado um dos maiores exploradores espanhóis da Amazônia) esteve quase dois meses conhecendo nosso paraíso natural.

Na época já era piloto de balão e ficou fascinado com a idéia de poder sobrevoar a selva. Há dois anos atrás, com experiência e equipamentos adequados, começou a organizar a expedição. Como conhecia algumas pessoas na Venezuela e ainda com a facilidade de que falavam a mesma língua, decidiu sobrevoar a zona do rio Orinoco (dai o nome de Expedicion Turpial, pássaro nacional venezuelano).

Quando me convidaram para fazer parte do grupo, voltamos ao sonho original: o rio Negro. Conseguimos rapidamente apoios em Manaus. A Fogás e a Bemol se prontificaram em nos ajudar respectivamente com gás e equipamentos (barco etc...). Em um rápido papo com o coronel Neves Morais, do DAC, soubemos da viabilidade de conseguir as devidas autorizações, segurança fundamental para tocar o projeto à frente.

Estivemos durante um ano nos preparando. Fizemos diversos vôos simulando as condições difíceis que encontraremos. Como quase não existem locais abertos na Amazônia, nossos campos de pouso serão, na grande maioria, o próprio rio, as pouquíssimas praias e, quando não for possível encontrar nada melhor, a copa das arvores...

Este ultimo evitaremos ao máximo, certamente tardaremos dias entre encontrar o balão, tira-lo das árvores, carregar até o barco e costurar os furos que fatalmente acontecerão. Frente a isto, levar uma hora e meia para tirar o balão da água parece fácil...

Através do nosso patrocinador, Fotoport@l, estaremos enviando diariamente noticias e imagens que poderão ser acompanhadas pelo site: www.expedicionturpial.com

Nos “vemos” em breve, espero...

Mande uma mensagem para o autor: Sacha Haim

Todas as colunas

 

Nota do editor: o texto desta coluna não reflete necessariamente a opinião do site 360 Graus, sendo de única e exclusiva responsabilidade de seu autor.





© Copyright 1998 - 2012 - 360 GRAUS MULTIMÍDIA
Proibida a reprodução integral ou parcial, para uso comercial, editorial ou republicação na Internet, sem autorização mesmo que citada a fonte.

Compartilhe:


Livros:

Equipamentos: